Edição 36
Março/2013

Especial F1 2013

A F1, essa linda que ainda provoca esses sentimentos que se misturam em sinestesia, vem aí. E traz a imprevisibilidade absurda para deixar ainda mais loucos os que usam a categoria para palpites

VICTOR MARTINS, de São Paulo
 
em quem esteja na contagem regressiva desde que Sebastian Vettel cruzou a linha de chegada em sétimo em Interlagos para se tornar tricampeão de 2012. Outros, quase nem tão desesperados, só se tocaram quando faltavam exatos cem dias para o GP da Austrália. Muitos tantos esfregaram as mãos restando dois meses; um mês, e veio o estalo para um punhado; daí 15 dias, e então 10, 9, 8, 7, 6, 5, e como em um lançamento de foguete ou numa virada de ano, toda essa gente que treme e se arrepia com um ronco de motor e põe um carro de corrida como prioridade na vida anseia pelo apagar das cinco luzes vermelhas e a possibilidade de um enrosco na primeira curva do Albert Park, em Melbourne.

A F1, essa linda que ainda provoca esses sentimentos que se misturam em sinestesia, vem aí. E traz de lambuja a imprevisibilidade absurda para deixar ainda mais loucos os que usam a categoria para apostas e palpites.

A incerteza que os testes de pré-temporada provocaram podem levar a avaliações que, quando olhadas daqui algum tempo, mostrar-se-ão errôneas. Por exemplo, não dá para confiar piamente que a Mercedes é favorita e uma das grandes da temporada só porque Lewis Hamilton e Nico Rosberg deram de lavada em alguns tantos dias em Barcelona. Ou que Sebastian Vettel é carta fora do baralho justamente por não ter liderado nenhum deles. Certo, mesmo, é que o ano vai ter 22, e não 24 carros, porque a HRT bateu as botas – e nem deixou saudades. E que a Pirelli vai atuar com suas gomas que se desfazem só com uma ou duas voltas. Fato é que o Grande Prêmio cumpriu seu papel jornalístico de sempre: preparou um material farto para que os leitores se preparem para o campeonato que está por começar.

Aliás, o especial que o Grande Prêmio traz é, na verdade e na prática, uma união com seu braço eletrônico, a Revista Warm Up – que deixou o formato eletrônico da revista para ser um meio termo com um site. A edição 36 está totalmente dedicada ao Mundial 2013 da F1, com a tradicional apresentação e avaliação de equipes e pilotos, além de matérias complementares, análises de Flavio Gomes e Victor Martins, e suas seções ‘10+’, Lado a lado’ e ‘Coletiva’. Basta que o internauta abuse dos cliques para devorar os textos da equipe que conta também com Fernando Silva, Evelyn Guimarães, Felipe Giacomelli, Juliana Tesser, Renan do Couto e Fagner Morais, artes de Bruno Mantovani e Rodrigo Berton, e diagramação de Ivan Capelli.

Para quem lê este especial nesta quarta-feira (13), faltam 4. Os longos 4 dias que passam não na velocidade da Mercedes dos testes, mas da HRT que se foi.
 

Comentários

Matéria anterior

Editorial: Renovação constante
Esta é uma edição exclusiva e especial, ou edição ‘gourmet’, como diria o leitor-coxinha
por Fernando Silva
Próxima matéria

Equipes: Red Bull
Não há razão para duvidar do conjunto que está dominando a F1
por Renan do Couto