Edição 43
Outubro/2013

Americo Teixeira Jr:
A nova era do Endurance nos USA

Embora nascida a partir de uma folha de papel em branco, a United SportsCar agrega experiências valiosas da Grand-Am e da ALMS

AMERICO TEIXEIRA JR, de Vinhedo
Nascar 'comprou a briga' do endurance. A gigante das competições dos Estados Unidos realizará, em 2014, a primeira temporada da Tudor United SportsCar Series. Esse novo campeonato nada mais é do que uma demonstração de que os norte-americanos querem crescer na modalidade a ponto de rivalizar com a marca européia Le Mans, notadamente a sua prova de 24 horas, e a versão FIA da modalidade. Essa não é uma investida inédita da tradicional categoria dos ovais (e também alguns mistos, mais recentemente). A empresa da família France já era responsável pela Rolex Grand-Am Sportscar Series. O passo adiante foi dado ao final de 2012, quando a American Le Mans Series se uniu à Grand-Am. Em bom português, a Nascar comprou a versão norte-americana das corridas de Le Mans e criou uma nova identidade técnica, desportiva e de marketing.

Esse modo Nascar de fazer automobilismo, com grandes patrocinadores, já está exposto no nome do campeonato, cujo patrocinador-máster é a marca de relógios Tudor. Desde sua primeira edição, em 2000, a Grand-Am tem como principal patrocinador a Rolex e, agora, divulgará a outra marca que o grupo criou nos anos 40, prometendo a qualidade Rolex com preço Tudor, mais acessível. Consagrada no mundo todo, a marca Rolex dará espaço para sua "irmã caçula", menos famosa, que está sendo reintroduzida no mercado norte-americano agora em 2013.

Embora nascida a partir de uma folha de papel em branco – tão em branco que detalhes do regulamento ainda não eram de todo conhecidos quando do fechamento dessa coluna –, a United SportsCar agrega experiências valiosas das duas competições. Cada qual com uma história e pontos de destaques diferentes, ambas sempre se identificaram pela valorização dos grandes protótipos e os modernos GTs em corridas variando entre duas e 24 horas de duração.

By Don Panoz

A American Le Mans Series nasceu em 1999 da iniciativa do empresário norte-americano Don Panoz, atualmente com 78 anos. Ele fez fortuna com empresas de medicamentos e é dono de uma das principais patentes mundiais dos adesivos transdérmicos, utilizados por pessoas que querem deixar de fumar. Foi com o filho piloto que ele passou a freqüentar o mundo do automobilismo e, entre outras iniciativas no setor, fechou uma parceria com os organizadores das 24 Horas de Le Mans – ele mesmo, participante como construtor – e criou o braço norte americano da série. O carro-chefe da ALMS sempre foi a prova "12 Horas de Sebring", disputada no circuito misto localizado na Flórida.

Enquanto Don Panoz criava sua categoria, naquele mesmo ano (1999) surgia a Grand-Am, 'apelido' da Grand American Road Racing Association. Apesar de surgir em Daytona por meio das ações de alguns dos empresários ligados à Nascar, a Grand-Am só passou a fazer parte do grupo fundado por Bill France, em definitivo, a partir de 2008, mas o conceito empresarial era o mesmo desde o início. O foco principal da categoria era justamente o Daytona International Speedway, palco da "24 Horas de Daytona" em seu traçado misto.

O novo momento

O campeonato será composto por 12 eventos, reunindo algumas das principais praças de cada certame extinto. As "cerejas dos bolos" estarão presentes, obviamente. Se a primeira etapa será a 52ª edição das 24h de Daytona (25 e 26 de janeiro), o calendário terá continuidade em 15 de março, com as 12h de Sebring. Na sequência, serão visitadas as pistas de Long Beach, Laguna Seca, Belle Isle (Detroit), Watkins Glen, Mosport (Canadá), Indianapolis, Road America, Virginia, Austin e Road Atlanta.

O pacote técnico básico é mais ou menos um 'coração de mãe', pois não deixa escapar nenhuma das classes anteriormente existentes, a exceção de uma. Serão quatro categorias, sendo a principal a Protótipos, que nada mais é do que a combinação da Daytona Prototype (DP) com a ALMS P2, mais os modelos DeltaWing. Na prática, o regulamento terá de equilibrar os 1000 kg/500cv da DP com os 900 kg/450 cv da P2. A P1 "morre" esse ano.

A segunda categoria é a Prototype Challenge (PC), uma espécie de P3 e oriunda integralmente da ALMS. Com pouco mais de 400 cv, os carros pesam em torno de 900 kg e tem um regulamento bem limitado para conter custos e desempenho. Já as categorias GT serão duas: GT Le Mans, GT Daytona (incluindo a GT Daytona X), todas com seus respectivos regulamentos.

Se em algum momento dessa trajetória a United SportsCar se tornará uma categoria gigante, a ponto de se tornar concorrente voraz das similares europeias, somente o futuro dirá, mas que tem um pacote inicial motivador, isso não há dúvidas.
Foto: Getty Images
 

Comentários