Edição 48
Março/2014

Equipes: Scuderia Ferrari

No meio termo entre ter poucas falhas e apresentar performance razoável, a Ferrari se apresenta com o melhor elenco dentre todas no grid apostando na regularidade e nas quebras alheias

FLAVIO GOMES, de São Paulo
 
A dupla é a mais forte da temporada, sem dúvida. Dois campeões mundiais, Alonso e Räikkönen, sendo que o primeiro sedento por um novo título – para Kimi, como se sabe, tanto faz ser campeão, como ficar em último; o que não quer dizer que não vai lutar da primeira à última volta de cada corrida, como de costume, com seu talento ímpar.

Nos testes, o time italiano não apresentou grandes problemas técnicos, mas também não espantou ninguém com seu desempenho. Foram 872 voltas completadas – 529 para Alonso, o segundo no ranking, 343 para Räikkönen, que concentrou as quebras –, e as maiores dificuldades surgiram nos sistemas de transmissão. Nada grave, porém. Não teve dia em que o carro vermelho tenha ficado estacionado nos boxes com seus mecânicos e engenheiros quebrando a cabeça para tentar descobrir o que estava acontecendo. Em geral, os diagnósticos foram rápidos – mas o tempo para consertar, indesejavelmente longo.

A aposta na confiabilidade do conjunto e na experiência da dupla dará o tom das primeiras corridas para a Ferrari. A chave será a regularidade. Não se deve esperar luta direta por vitória, a não ser em circunstâncias excepcionais – chuva, acidentes, quebras dos adversários. Mas presenças no pódio serão mais frequentes do que a discrição dos treinos pode sugerir.

A Ferrari, nas últimas temporadas, não se caracterizou pelo desenvolvimento rápido de seu carro ao longo do ano. Ao contrário, termina mais ou menos como começa. Mas este é um Mundial diferente. Pode ser que o ‘mais ou menos que não quebra’ traga mais resultados que o ‘rápido pacas, que não sabe se termina’.
Sede: Maranello, Itália
Carro: F14T
Motor: Ferrari
Principais dirigentes: Stefano Domenicali
Pat Fry
James Allison
Luca di Montezemolo
Piloto reserva: Pedro de la Rosa
Em 2013: 3º lugar no Mundial de Construtores (354 pontos)
Melhor resultado: 15 Títulos de Pilotos
16 Títulos de Construtores
Melhor tempo em Jerez: 1min24s812
(Kimi Räikkönen, 5º)
Melhor tempo em Sakhir: 1min34s280
(Fernando Alonso, 5º)
Sete anos depois do título, Kimi Räikkönen retorna à Ferrari para tentar desbancar Fernando Alonso. (Foto: Shaun Botterill/Getty Images)
Pilotos
O grito de “o campeão voltou” ecoa entre os torcedores italianos. Já se vão sete anos desde que Kimi Räikkönen venceu o GP do Brasil e foi campeão do mundo com a Ferrari. O time ainda não viu outro piloto ganhar o Mundial, e a (re)contratação de Kimi passou por isso. A necessidade de mudança levou a Ferrari a não renovar com Felipe Massa para assinar com o finlandês, que é garantia de pontos. Se a F14 T apresentar a mesma confiabilidade dos treinos nas corridas que estão por vir, Räikkönen certamente chegará com frequência nos pontos e ajudará os italianos a assegurar uma boa posição no Mundial de Construtores.

Será curioso, também, observar seu comportamento numa possível guerra de egos com Fernando Alonso – o iceman deve provocar algumas boas risadas em quem gosta de F1 com seu jeito frio e completamente desinteressado pelas opiniões alheias.

RENAN DO COUTO
Fernando quer ser tri, mas não está perto de ser favorito ao título em 2014. O espanhol fará a mesma coisa que tem feito desde 2008: conquistar resultados excelentes para o carro que tem na mão. Alonso não conta com a melhor máquina do grid desde a passagem relâmpago pela McLaren, mas só terminou um dos últimos seis campeonatos fora do top-5 – o de 2009.

A única diferença é que, dessa vez, terá um piloto do mesmo nível ao seu lado. Centralizador, o bicampeão sempre se impôs sobre seus companheiros de equipe, mas uma das grandes dúvidas do campeonato deste ano é saber se ele conseguirá relegar um campeão mundial ao posto de segundo piloto – imaginem só Kimi escutando um “Fernando is faster than you”. E, mais ainda, como reagirá caso o finlandês comece na a chegar sua frente nas corridas. Chiliques à vista?

RENAN DO COUTO
 

Comentários

Matéria anterior

Equipes: Mercedes
Com uma dupla que conhece o caminho das vitórias, a equipe pinta como grande favorita à conquista dos títulos
por Flavio Gomes
Próxima matéria

Equipes: Lotus
O perrengue que passa por não ter um orçamento decente está deixando a Lotus com cara de mera figurante
por Flavio Gomes