Edição 49
Abril/2014

20 nos 20: Karl Wendlinger

Disputou o GP de San Marino de 1994 pela equipe Sauber. Duas semanas depois, sofreu um grave acidente em Mônaco, chegando a ficar em coma

KARL WENDLINGER, de Viena, em depoimento a EVELYN GUIMARÃES
 
Que fim de semana horrível para o esporte... A primeira recordação que tenho de Ímola foi do forte acidente de Rubens Barrichello na sexta-feira. Foi uma batida feia, mesmo. Mas depois nos vimos no sábado que ele estava bem e consciente. Não havia nenhum sentimento estranho até aquele momento, nada. Afinal, era a F1, e essas coisas podem acontecer.

Só que aí teve o acidente com Roland Ratzenberger naquele mesmo dia à tarde. Depois disso, as coisas começaram a ficar mais esquisitas, porque é sempre complicado você controlar as suas emoções em situações como estas. Então, decidi imediatamente ficar calmo e que o melhor a fazer era continuar. Guardei todas essas minhas emoções bem no fundo em mim e fui em frente. E no domingo, Ayrton Senna sofreu aquele acidente.

Ninguém acreditava naquilo. Para ser sincero, eu mesmo levei vários dias para entender o que havia acontecido. Fui para casa. Resolvi me refugiar”.
 


A série ’20 nos 20’ traz 20 depoimentos de quem acompanhou bem intimamente esta morte exageradamente triste. A grande maioria estava em Ímola e acompanhou cada minuto do acidente fatal que mudou vidas para sempre.

 
 

Comentários